domingo, 3 de junho de 2012


Fazenda da Esperança de portas abertas para quem quer recuperar - Renascença

Conceito foi importado do Brasil, bem como o carinho e o amor que ajudam as pessoas dependentes a recuperar dos vícios. Fazenda de Maçal do Chão, na Guarda, é a 86ª a ser inaugurada e tem capacidade para 14 pessoas.
06-05-2012 15:12 por Liliana Carona

Abriu ( 6/5 ) a primeira Fazenda da Esperança em Portugal. O conceito vem do Brasil, onde nasceu a primeira casa para ajudar os dependentes a tratar os mais diversos vícios, através da espiritualidade, do trabalho e da vida em família.

Ludgio Migliani e Claudio Delbianco são os dois voluntários que vão ficar à frente da Fazenda da Esperança. Eles próprios recuperaram a vida graças à Fazenda, recorda Ludgio Miglioni, que vendeu o que mais gostava para vir para Portugal.

"Como não tinha trabalho, a coisa que mais gostava era a minha mota e achei melhor vendê-la para vir para Portugal", conta à Renascença. Ludgio Miglioni teve “problemas com drogas durante 10 anos”. "Fiquei oito meses na Fazenda em São Paulo, no Brasil, e depois fui para Alemanha, fiz seis meses lá e terminei a minha recuperação e agora estou em Portugal a fazer essa missão."

Claudio Delbianco, 32 anos, voluntário já recuperado, quer transmitir o que aprendeu e descobrir o dom dos que ali forem bater à porta: “Aprendi a fazer pão na padaria e às vezes são dons que temos e descobrimo-los na Fazenda. Queremos passar isso para eles".

"Um lugar preparado por Deus"
Um dos fundadores do projecto, criado em 1983, Frei Hans Stapel, elogia a aldeia Maçal do Chão, onde está localizada a fazenda. “Para mim é muito interessante, porque é uma região onde não tem tanta juventude. No sul do país tem outras atracções”, explica.

“Aqui é um lugar preparado por Deus para aqueles que se querem recuperar de verdade”, sublinha Frei Hans Stapel.

Amigos, conheci esta Fazenda Esperança em 76 quando fui viver para o Brasil.  A principal unidade estava precisamente na cidadezinha onde morei e onde nasceram os meus filhos, Guaratinguetá. O nome é estranho, mas o seu significado é muito interessante; significa Reunião de Garças Brancas na língua indígena.
Fiquei muito feliz quando ouvi estes voluntários dizerem que tinham vindo de Guaratinguetá, como devem imaginar. É uma obra fantástica para onde vão  pessoas de todo o Brasil, mesmo algumas muito famosas, à procura de ajuda. Lá em Guaratinguetá é conhecida pela casa do Frei Hans
.
Emília Pinto

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Que bom ver-te aqui neste cantinho para o qual eu participo apresentando acções que nos façam acreditar no nosso Portugal e no mundo. Já te costumo ver no Começar de Novo e agora fiquei muito feliz por te ver aqui. Um beijinho, amiga, e fica bem! Obrigada!
      Emília

      Eliminar
  2. Uma amiga muito especial
    hoje marca a postagem do meu blog.
    Um ser divino que em pouco tempo conquistou corações nesse mundo virtual.
    O meu foi quase um dos primeiros a ficar apaixonado pelo carisma ,
    e grandeza de seu coração.
    Convido você a deixar seu carinho e fazer parte dessa preciosa amizade.
    Espero em Deus ter saúde o suficiente para conhece-la pessoalmete
    em 2012.
    Vou ficar agradecida com sua doce presença.
    Uma linda e abençoada semana.
    Beijos ternos e carinhosos.
    Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Evanir. Irei ver com certeza. Um beijinho e fique bem!
      Emília

      Eliminar
  3. Olá, querida
    Deus abençoe essa nova Missão aí!!!
    Bjm de paz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas que surpresa boa vê-la aqui. amiga! Já há muito que não aparecia no Começar de Novo e por isso fiquei feliz em vê-la neste cantinho. Com certeza que esta missão também vai dar os bons resultados que tem dado no Brasil, em especial em Guaratinguetá. Muito obrigada pela visita . Um beijinho e apareça sempre!
      Em
      ilia

      Eliminar
  4. Muito bom e super interessante!

    Beijinhos e boa semana amiga! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deves imaginar a minha alegria quando ouvi falar de Guaratinguetá e da obra do Frei Hans que tão bem conheço? Foi muito bom. Beijinhos, Sonia e obrigada
      Emília

      Eliminar